16 de novembro de 2017

Temas em Análise nº 155: Varejo acelera em setembro

A Pesquisa mensal do comércio divulgada pelo IBGE relativa a setembro revela que a atividade comercial apresentou expansão de 6,4% no varejo restrito, e de 9,3% no ampliado, que inclui material de construção e veículos, na comparação com igual mês de 2.016. Apesar desse crescimento bastante significativo, o acumulado em 12 meses
ainda registra queda de 0,6% e 0,1% respectivamente, mas os dados de setembro sinalizam que no último trimestre as vendas do varejo devem apresentar desempenho mais satisfatório, permitindo fechar 2.017 com taxa positiva de crescimento.

Dentre os fatores que influenciaram positivamente a atividade varejista podemos destacar a queda da inflação, especialmente de alimentos, o crescimento da massa salarial em função da melhora no emprego e de ganho real nos reajustes, a redução das taxas de juros e dilatação dos prazos de pagamentos, a injeção de recursos do FGTS em meses anteriores que permitiu que muitos consumidores quitassem suas dívidas para se habilitarem a novas compras financiadas. Destaque-se, também, maior segurança no emprego e melhora da confiança do consumidor, mas ainda em patamar muito baixo, e a base fraca de comparação.

Os resultados do varejo em setembro, embora positivos, não foram suficientes para compensar as quedas dos anos anteriores, revelando que o comércio vai demandar mais tempo para voltar aos patamares anteriores à crise. O importante, contudo, que a recuperação se afigura como sustentável e com possibilidade de aceleração se não
afetada por nova crise política, ou pela recusa do Congresso em aprovar a reforma da previdência, o que poderia levar a elevação das taxas de juros.

A expansão do varejo foi generalizada, mas a maior influência para o resultado foi o crescimento expressivo das vendas de supermercados, de 6% sobre setembro do ano anterior, que tem peso relevante no total bem como de móveis e eletroeletrônicos, 16,6% devendo-se destacar também veículos, 10,8% e material de construção, 15,5%.