TEMAS EM ANÁLISE

Mais enxuto do que o Boletim de Conjuntura, esse documento semanal contempla um dado factual da economia nacional e o analisa em profundidade. O conteúdo também é mostrado em tabela com números oficiais. No Temas em Análise, os economistas explicam os fatores que levaram ao resultado em questão e o que está por vir. 

9 de março de 2017

Temas em Análise nº 127: Indústria inicia 2017 com expansão após 34 meses de queda

Temas em Análise
 


Em janeiro, a atividade industrial ganhou força, com expansão de 1,4% sobre igual mês de 2016, interrompendo um ciclo de 34 meses de queda. Vale notar que parte desses resultados se deve à fraqueza da base de comparação do ano… mais

8 de março de 2017

Temas em Análise nº 126: PIB mostra forte queda em 2016, mas sinaliza recuperação da atividade

Temas em Análise

Tal como era esperado pelos analistas de mercado, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Produto Interno Bruto (PIB) mostrou forte queda em 2016 (3,6%), levemente inferior à observada em 2015 (-3,8%), configurando, de todo modo, o… mais

9 de fevereiro de 2017

Temas em Análise nº 125: Inflação inicia 2017 com forte queda

Temas em Análise

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o índice oficial de inflação, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), registrou alta de 0,38% em janeiro, acelerando levemente em relação a dezembro (0,30%). Contudo, foi a menor… mais

1 de fevereiro de 2017

Temas em Análise nº 124: Em 2016, a crise industrial perde força

Temas em Análise

Em dezembro, a queda da atividade industrial mostrou arrefecimento, anotando leve recuo de 0,1%, ante o mesmo mês de 2015, cuja base é bastante fraca (ver tabela abaixo). Foi a queda menos intensa desde março de 2014 (-0,4%). Durante o… mais

6 de janeiro de 2017

Temas em Análise nº 123: Em novembro, indústria reduziu ritmo de queda

Temas em Análise

Em novembro, a queda da atividade industrial perdeu força, registrando leve recuo de 1,1%, ante o mesmo mês de 2015, cuja base é bastante fraca (ver tabela abaixo). Trata-se da queda menos intensa desde março de 2014 (-0,4%). No acumulado… mais