Balanço de Vendas de fevereiro aponta tendência de maior movimentação no comércio

São Paulo, 03 de março de 2021 – As vendas de fevereiro no comércio da capital paulista cresceram 1,3% comparadas a janeiro. Se relacionadas com o mesmo mês de 2020 houve queda de 6,1%. O Balanço de Vendas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), feito com base nos dados da Boa Vista S/A, mostra que há uma momentânea tendência de crescimento na movimentação do varejo para os próximos meses, o que não significa que o setor esteja aquecido.

Um dos principais índices comparativos para mostrar se há crescimento ou queda nas vendas é a equiparação com o período similar do ano anterior. E neste caso, a relação é de cenário com a pandemia este ano e sem a pandemia no ano passado. A Organização Mundial de Saúde (OMS) decretou a pandemia em 11 de março de 2020. Depois, no dia 24 do mesmo mês, o Governo de São Paulo anunciou a quarentena e determinou o fechamento do comércio não-essencial em todo o estado.

Foi a partir do fim de março do ano passado que os comerciantes começaram a sentir o impacto causado pelo coronavírus. “Em março e, principalmente a partir de abril teremos condições de fazer uma análise mais precisa do que está acontecendo de fato com o comércio”, analisa Marcel Solimeo, economista da ACSP. “A tendência hoje, de acordo com este balanço, é de crescimento nas vendas, mas se caírem daqui para frente até por conta da adoção de possíveis novas medidas restritivas para o funcionamento do varejo, significará que muitos comerciantes não estão tendo mais fôlego para sobreviverem a esta crise”, sugere.

As vendas de janeiro deste ano só não foram piores porque houve a Sampa Week, período de promoções de produtos e serviços que foi prorrogado até o último dia 12 de fevereiro. Em janeiro, houve restrições no funcionamento do comércio em todo o estado, como a diminuição do tempo de abertura dos estabelecimentos considerados de serviços não-essenciais em dias úteis, além também da reclassificação do estado para a fase vermelha do Plano São Paulo de Flexibilização da Economia, das 20 às 6 horas durante a semana e nos finais de semana de 30 e 31 janeiro.

 

Comportamento da Economia

Em 2020, o varejo da capital paulista acumulou perdas. Em março e abril as quedas registradas foram de 47,2% e 51,8%, respectivamente sobre os meses anteriores. De maio a dezembro, a variação negativa começou a diminuir mês a mês (+5%; +35,1%; +19,8%; +24,8%; +20,8%; +21,8% e +17,1%, +18,4%). Em janeiro, voltou a cair (-38,7%), mas esta queda, independentemente de restrições impostas pela pandemia, é totalmente normal já que as vendas de dezembro, por conta do Natal, sempre serão muito maiores do que as de qualquer início de ano.

 

Outras informações para a imprensa

Tamer Comunicação

Tercio Braga, tercio.braga@tamer.com.br, (19) 99671-4579

Marcelo Picolo, marcelo.picolo@tamer.com.br, (11) 99105-1941

 

Assessoria de Imprensa ACSP

Alan Viana, aviana@acsp.com.br, (11) 3180-3220

Gabriel Daniele, ggferreira@acsp.com.br,  (11) 3180-3220

 

Sobre a ACSP: A Associação Comercial de São Paulo (ACSP), em seus 126 anos de história, é considerada a voz do empreendedor paulistano. A instituição atua diretamente na defesa da livre iniciativa e, ao longo de sua trajetória, esteve sempre ao lado da pequena e média empresa e dos profissionais liberais, contribuindo para o desenvolvimento do comércio, da indústria e da prestação de serviços. Além do seu prédio central, a ACSP dispõe de 15 Sedes Distritais, que mantêm os associados informados sobre assuntos do seu interesse, promovem palestras e buscam soluções para os problemas de cada região.


Por ACSP