A pandemia do novo coronavírus trouxe muitas incertezas e efeitos negativos para a economia mundial. No Brasil, a desvalorização do real foi um dos grandes impactos gerados pela crise. 

Neste cenário, o interesse de empresas e indústrias pela exportação vem aumentando, afinal, esta é uma oportunidade de explorar novos mercados e tentar conseguir melhores resultados para o negócio.

No entanto, levar produtos para o exterior não é simples: para colocar a ideia em prática e conseguir bons resultados, é preciso conhecer muito bem as características da sua empresa, as particularidades do seu produto e o funcionamento e necessidades do mercado para o qual você pretende oferecer serviços. 

A seguir, listamos alguns pontos importantes que você deve conhecer se estiver pensando em expandir o alcance da sua empresa para além da fronteira. Confira:

 

Potencial para exportação: conheça o seu produto

Começar a exportar produtos não deve ser uma tentativa desesperada de aumentar o faturamento do negócio ou ampliar o público em potencial. Em primeiro lugar, o empreendedor precisa fazer uma avaliação criteriosa do que a sua empresa produz e entender se essa proposta também faz sentido em outros países. Lembre-se de que a diferença de cultura também influencia hábitos de consumo e necessidades de uma população.

Verifique, também, se o seu produto está pronto para atingir novos mercados. Se você ainda identifica oportunidades de melhoria, o melhor é investir em ajustes e aprimorar a oferta em território nacional para depois pensar em vender para outros países.

 

Avalie questões logísticas e capacidade de produção

Se a ideia é vender mais, a sua empresa precisa estar preparada para atender a uma demanda maior. Não adianta encontrar novos consumidores e deixar o público na mão quando as oportunidades aparecerem.

Se a capacidade produtiva da sua empresa estiver próxima do limite, o ideal é fazer investimentos em expansão. Considere, também, a possibilidade de terceirizar a produção firmando parcerias com fábricas do mesmo setor — mas sem deixar de lado a qualidade dos produtos e acompanhamento dos processos. 

 

Pesquise normas e determinações

Em cada país, existem órgãos que regulamentam a comercialização de produtos para garantir que eles não oferecem riscos ao consumidor.

No Brasil, por exemplo, medicações, alimentos, agrotóxicos e uma série de itens relacionados à saúde precisam da aprovação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para serem vendidos. Outros exigem autorização do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia) para chegarem às prateleiras.

Pesquise quais são os órgãos reguladores que viabilizam a venda do seu produto no país em que você pretende começar negócios e veja se a sua produção precisará passar por mudanças para atender às exigências dessas instituições. Não dá para começar a exportar sem fazer as adequações necessárias e regularizar a situação dos seus produtos.

Vale a pena fazer um levantamento dos locais onde já existam exportações brasileiras. Isso demonstra oportunidades de negócios e baixas barreiras para operar.

 

Documentos importantes

Além disso, é importante saber que existem documentações que não são obrigatórias, mas facilitam o processo de exportação. O Certificado de Origem é uma delas.

Quando emitido corretamente, o Certificado de Origem permite que o empreendedor consiga uma série de reduções e até isenções de impostos ao exportar, dependendo dos acordos comerciais firmados entre o país exportador e o importador.

Com a mercadoria mais barata, é possível vender a preços mais atrativos e conseguir margens de lucro mais interessantes. Você pode conferir mais detalhes sobre como funciona o Certificado e como contratá-lo clicando aqui.

 

Procure apoio especializado

Depois de verificar que o seu produto tem demanda em outros países e que a sua empresa tem capacidade de produção, é interessante buscar apoio especializado para entender mais sobre o mercado que você quer explorar e obter orientações sobre a burocracia envolvida no processo de exportação.

A São Paulo Chamber of Commerce, departamento de Comércio Exterior da ACSP, desenvolve seminários, workshops, rodadas de negócios, missões internacionais e oferece orientação de especialistas que promovem relações internacionais entre negócios brasileiros e estrangeiros. Clique aqui e entenda como a ACSP pode ajudar a sua empresa a chegar mais longe.


Por ACSP