Mais do que uma simples atividade econômica, o empreendedorismo materno representa uma saída para muitas mulheres, em diferentes situações. Seja para aquelas que com a chegada dos filhos preferem não manter suas rotinas de trabalho e se descobrem empreendedoras talentosas ou para as que vêem na abertura do próprio negócio a única possibilidade de sustento, entrar no mundo empreendedor é um caminho cada vez mais comum.

Infelizmente, por trás deste cenário também existe uma realidade pouco animadora, a começar pela hostilidade do mercado de trabalho em relação à maternidade - o que faz com que muitas mulheres ainda não se sintam seguras para comunicar a gravidez às lideranças. E, no retorno da licença-maternidade, o medo de perder o emprego é uma realidade comum.

Um estudo conduzido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) mostrou que 50% das mulheres brasileiras são demitidas até dois anos depois da licença-maternidade. O número revela uma realidade ainda cruel, mas também reforça a necessidade de ações que estimulem as mulheres que buscam novas oportunidades - seja no mercado de trabalho ou buscando o seu sustento fora dele, por meio empreendedorismo.

A boa notícia é que tem crescido o número de empresas que apoiam e capacitam mães empreendedoras. Estas instituições, também conhecidas como aceleradoras ou incentivadoras de mães, desempenham um papel fundamental na vida dessas mulheres e na construção de uma economia mais inclusiva.

Que tal conhecer um pouco mais desses projetos? A seguir, citamos algumas startups voltadas especialmente ao empreendedorismo materno, que ajudam as mulheres a conquistarem uma visão mais ampla de negócios e chegarem mais longe. Conheça algumas delas:

Escola de Negócios da Mãe Empreendedora

A Escola de Negócios da Mãe Empreendedora é uma empresa do Grupo M.Ã.E, que atua há três anos. Ela auxilia mães empreendedoras a conhecerem conceitos de gestão de forma simples e aplicarem técnicas e estratégias em seus negócios.

O objetivo do projeto é contribuir para que mais mulheres tenham lucro por meio de negócios sustentáveis. Só no último ano, mais de 3 000 mães foram capacitadas pela iniciativa, que pretende atender mais de 10 000 mulheres empreendedoras em 2020.

Marketing de Mãe

A MMPM - Marketing de Mãe Para Mãe - nasceu em um grupo no Facebook, como uma agência de marketing para mães empreendedoras. Pouco tempo depois, o projeto transformou-se em uma aceleradora e passou a promover conexões entre mães e capacitação àquelas que desejavam ou precisavam empreender, mas necessitavam de ajuda.

Por meio da MMPM, as mães participantes se encontram, anualmente, em um evento de capacitação chamado Motherworking. Além das publicações com orientações gratuitas para mães empreendedoras nas redes sociais, a rede ainda oferece diversos pacotes de mentoria em grupo, com valores acessíveis.

Em todos os canais, as fundadoras oferecem apoio e compartilham ensinamentos valiosos de marketing e vendas, a fim de que as mães consigam resultados melhores à frente de seus negócios. Ao todo, o projeto acumula mais de dez anos de trabalho e mais de 20 mil usuários que consomem os conteúdos disponibilizados nas redes sociais.

De acordo com a empresa, mais de 1 000 mães já tiveram os seus empreendimentos acelerados por meio do projeto. Sem dúvida, são números para se orgulhar.

Social Mom

A rede para desenvolvimento de mães empreendedoras Social Mom aposta na união de dois formatos para fomentar o empreendedorismo materno: além dos workshops, no “Social Mom School”, também são realizados eventos, como o “Social Mom Day”. Em todas as atividades, a ideia é que as participantes tenham a chance de compartilhar e absorver conhecimentos e experiências sobre negócios.

Até hoje, o Social Mom Day atingiu cerca de 5 milhões de mães por meio de redes sociais e blogs parceiros. Ao todo, mais de 600 mulheres já participaram de palestras, trocaram experiências e reforçaram o networking - um dos grandes objetivos da empresa.

O mais interessante é que quase todas as ações desenvolvidas pela Social Mom são gratuitas, e os eventos custam até 50 reais - valor considerado acessível para experiências tão ricas.

Maternativa

O nome do projeto Maternativa une duas palavras que, na visão das fundadoras, têm tudo a ver com ser mãe: “maternidade” e “locomotiva” - já que, assim como uma locomotiva, a maternidade sofre constantes transformações e se move o tempo todo.

Em um grupo do Facebook, a Maternativa compartilha conteúdos e nutre diálogos que ajudam a fomentar o empreendedorismo materno por meio de discussões importantes. Por lá, a relação entre as mães e o trabalho é muito abordada, e as participantes têm espaço para compartilhar seus pontos de vista e aprender muito umas com as outras.

Mas as ações não ficam apenas na internet: uma vez por mês, o grupo promove encontros presenciais e eventos especiais, como feiras para a exposição e vendas de produtos e serviços oferecidos por mães empreendedoras.

O principal objetivo do Maternativa é estimular a reflexão sobre a realidade das mães no mercado de trabalho. Os números impressionam: além das trocas diárias promovidas no grupo do Facebook, que é bastante ativo e tem cerca de 25 000 participantes, a rede já organizou mais de 50 encontros. Ao todo, cerca de 2 500 mães foram impactadas presencialmente.

A participação no Facebook, assim como nas palestras e encontros maternos realizados mensalmente, é gratuita.

Como estimular o empreendedorismo materno?

Para contribuir com o desenvolvimento do empreendedorismo materno, algumas ações  simples no cotidiano podem fazer a diferença: acompanhar o trabalho de projetos de aceleradoras nas redes sociais, comparecer aos eventos, fazer doações para instituições que representam a causa e priorizar a compra de produtos e serviços oferecidos por mães são alguns exemplos.

A Associação Comercial de São Paulo, por meio do Conselho da Mulher Empreendedora e Cultura, também desenvolve uma série de iniciativas para fomentar o empreendedorismo materno e feminino. Uma delas é o 1° Encontro Liberdade para Empreender: protagonismo feminino nos negócios, que será realizado no dia 10 de março.

Para Ana Claudia Cotait, presidente do CMEC, o encontro vai unir reflexões de profissionais de todos os gêneros sobre o papel e o protagonismo feminino nos negócios ou nos seus empregos.

“Queremos juntar as mais diversificadas visões, de mulheres e homens protagonistas em seus setores, para estimular o espírito de empreendedorismo no universo feminino”, diz Ana Claudia.

Idealizado para integrar as comemorações do Dia Internacional da Mulher, celebrado em 08 de março, o evento, com entrada gratuita, tem como objetivo proporcionar às empreendedoras espaço e voz para que se sintam à vontade para debater negócios, ouvir lideranças e promover networking. As inscrições já estão abertas, mas as vagas são limitadas. Para saber mais sobre a programação e participar, clique aqui.


Por ACSP