Janeiro registra nova queda no Índice Nacional de Confiança

São Paulo, 1º de fevereiro de 2021 – O Índice Nacional de Confiança (INC) de janeiro, pesquisa realizada pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP) junto à startup de tecnologia Behup, apontou nova queda sobre a expectativa para o futuro do consumidor comparada a dezembro. O mês registrou 82 pontos, dois a menos que o anterior, o que indica que o atual cenário econômico não é dos melhores desde o início da pandemia. A análise vai de 0 a 200 pontos. Os índices computados no início do maior distanciamento social, em maio e junho do ano passado, eram de 77, mas vinham crescendo até que, em novembro, atingiram os 86 pontos. Cenário mais otimista desde o início das medidas de restrição para conter o avanço do novo coronavírus. Em dezembro, já houve recuo para 84. Agora, houve outro recuo. As incertezas, relacionadas principalmente às condições do emprego e do consumo, são as que mais preocupam o brasileiro neste instante.

Desde o início do isolamento social, o receio de ficar desempregado cresceu. Até fevereiro de 2020, a maioria dos entrevistados para o INC dizia estar mais segura no emprego, na comparação com seis meses antes. A partir de março, os receosos em perder o emprego passaram a ser a maioria da população. No mês de janeiro, 35%, dos 1.500 entrevistados para este atual levantamento, disseram estar menos seguros quanto à estabilidade no emprego. O número daqueles que disseram estar mais seguros é menor: 28% da amostragem.

De acordo com o levantamento, 62% dos entrevistados afirmaram conhecer alguém que perdeu o emprego nos últimos seis meses por causa das condições atuais da economia. Diante dessa realidade, quando o brasileiro olha para a frente, as perspectivas não são as melhores. Para 61% dos ouvidos para o INC em janeiro, o desemprego vai aumentar. No mês passado, 58% tinham essa expectativa.

As finanças pessoais também preocupam os brasileiros, que perderam renda como consequência da paralisação da economia. A pesquisa apontou que 46% dos entrevistados consideraram a própria situação financeira ruim. Aqueles que a consideram boa foram 30%.

“Estamos vivendo um cenário de incerteza econômica”, afirma Marcel Solimeo, economista da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). “As medidas para o isolamento social adotadas pelos estados e municípios e a pouca disponibilidade de vacinas estão refletindo diretamente na falta de confiança do consumidor”, emendou.

Consumo – Com renda menor e dúvidas em relação ao emprego, o consumo inevitavelmente acaba afetado. O INC mostra que a maioria dos brasileiros estaria pouco disposta a fazer grandes compras, como a de um carro ou casa.

Em janeiro, 38% dos entrevistados para ao levantamento disseram não ter confiança para compras com esse perfil. Já os que se mostraram confiantes em realizar grandes aquisições representaram 29% da amostra. O mesmo comportamento é observado para compras intermediárias, como eletrodomésticos. Foram 33% os que disseram estar pouco confiantes em fazer aquisições desse tipo, contra 32% que se mostraram dispostos.

“O fim do Auxílio Emergencial diminuiu o poder de compra e também afetou bastante a confiança do consumidor em relação ao futuro do país”, disse Marcel Solimeo.

A região do Brasil mais confiante na economia é a Centro-Oeste com 107 pontos, seguida pela Norte (95), Sudeste (79), Sul (78) e Nordeste (76). “O consumidor mais confiante é aquele que vê a economia de seu estado se manter ativa, porque as principais atividades são ligadas à agricultura, pecuária e ao extrativismo mineral que não perderam tanto a força com a pandemia”, analisou Solimeo.

Outras informações para a imprensa

Tamer Comunicação

Tercio Braga, tercio.braga@tamer.com.br, (19) 99671-4579

Marcelo Picolo, marcelo.picolo@tamer.com.br, (11) 99105-1941

 

Assessoria de Imprensa ACSP

Danielle Pessanha, dpessanha@acsp.com.br, (11) 3180-3387

Alan Viana, aviana@acsp.com.br, (11) 3180-3387

Gabriel Daniele, ggferreira@acsp.com.br, (11) 3180-3387

Sobre a ACSP

A Associação Comercial de São Paulo (ACSP), em seus 126 anos de história, é considerada a voz do empreendedor paulistano. A instituição atua diretamente na defesa da livre iniciativa e, ao longo de sua trajetória, esteve sempre ao lado da pequena e média empresa e dos profissionais liberais, contribuindo para o desenvolvimento do comércio, da indústria e da prestação de serviços. Além do seu prédio central, a ACSP dispõe de 15 Sedes Distritais, que mantêm os associados informados sobre assuntos do seu interesse, promovem palestras e buscam soluções para os problemas de cada região.


Por ACSP