Temas em Análise 300: Setor Serviços Cresce em Janeiro, mas Intensifica Queda Anual

SETOR SERVIÇOS CRESCE EM JANEIRO, MAS INTENSIFICA QUEDA ANUAL

Há quase oito anos, no dia 25 de março de 2013, o Instituto de Economia Gastão Vidigal (IEGV) da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) publicou o primeiro número deste boletim, destinado a analisar a conjuntura econômica, ressaltando aspectos não tradicionalmente tratados, tanto na mídia especializada, como em publicações do gênero, em linguagem simples e acessível.

Assim, é com grande satisfação que chegamos ao tricentésimo número do “Temas em Análise”, que, ao longo de todo esse período tratou dos mais importantes tópicos da economia brasileira, numa periodicidade quase semanal, incluindo inflação, contas externas, atividade industrial, varejo, serviços e mercado do trabalho, sem deixar de considerar os cenários relevantes para os mercados internacionais.

No presente “Temas” analisaremos o desempenho dos serviços durante o primeiro mês do ano, setor produtivo mais importante para a determinação do produto interno bruto (PIB) de nosso País. Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o volume de serviços prestados apresentou alta de 0,6%, em relação a dezembro, eliminando-se efeitos sazonais, superando as previsões de mercado.

Contudo, na comparação com o mesmo mês de 2020, houve recuo de 4,7% (ver tabela na página seguinte), mais intenso do que o registrado na leitura anterior, como pode ser visualizado no gráfico abaixo. Nos últimos 12 meses, também houve redução mais acentuada (-8,3%) do que a observada no mês imediatamente anterior.

 

 

No contraste anual, o resultado de janeiro interrompeu a tendência de atenuação da contração dos serviços, iniciado em junho de 2020. Essa piora relativa de desempenho está associada ao fim do auxílio emergencial e ao recrudescimento da pandemia, com seus consequentes efeitos adversos sobre a renda e o emprego das famílias.

Nessa mesma base de comparação, quatro das cinco atividades consideradas na pesquisa apresentaram queda, com destaque negativo para os serviços prestados às famílias com predominância de atendimento presencial, tais como restaurantes, bares e hotéis. A única contribuição positiva veio do segmento de informação e comunicação, impulsionado pelo crescimento do volume de serviços prestados no campo da tecnologia de informação.

Em síntese, os serviços apresentaram modesta expansão, em janeiro, porém, intensificaram sua contração, em relação ao mesmo mês do ano passado. Seu desempenho ao longo dos próximos meses dependerá crucialmente da evolução da pandemia e do ritmo da vacinação, pois o setor tende a ser o mais afetado pelas medidas de isolamento social, que possam ser implementadas para reduzir o contágio da população.

 


Por IEGV - Instituto de Economia Gastão Vidigal