A relação dos brasileiros com o dinheiro não vai nada bem: no país, quatro em cada dez consumidores têm contas em atraso. A má notícia é que, nos próximos meses, controlar as finanças deve ficar ainda mais difícil, já que o avanço do novo coronavírus tem impactado negativamente a economia.

As medidas de isolamento social, necessárias para conter o avanço da doença e evitar um colapso no sistema de saúde, mudam os hábitos de consumo e têm forte influência no desempenho do comércio. Com mais pessoas em casa, seguindo recomendações das autoridades, o varejo é um dos setores que mais sofre com a falta de clientes. O desemprego, que vinha caindo lentamente, deve voltar a crescer e, por consequência, encurtar a renda das famílias.

Neste cenário, o empreendedor precisa reforçar medidas para evitar uma perda ainda maior de capital de giro por conta da inadimplência; e um dos caminhos é investir em ações para recuperar crédito dos consumidores que não estão com o pagamento em dia.

Tratar essa questão nem sempre é tarefa fácil, afinal, não basta fazer a cobrança: neste processo, o empreendedor ainda precisa tomar cuidado com a maneira como conduzirá as ações para que o seu relacionamento com o cliente não seja prejudicado. Isso porque, depois de um momento de dificuldade financeira, o consumidor pode se recuperar e voltar a precisar dos produtos e serviços que a sua empresa oferece.

Por se tratar de um assunto delicado, a recuperação de crédito exige medidas cautelosas. Antes de apresentá-las, vamos entender um pouco mais sobre esse processo.

Como funciona a recuperação de crédito?

A operação de recuperação de crédito, como o próprio nome sugere, tem por objetivo reaver um valor devido. Este processo visa ajudar o inadimplente a quitar suas dívidas e regularizar a situação para poder fazer novas compras. Para as empresas, isso significa receber um montante não pago, evitar prejuízos e, por meio de uma ação bem-sucedida, conquistar novas vendas.

Vale lembrar que quando um cliente tem dívidas em atraso e entra em contato com a empresa para apresentar o problema é importante que ela esteja disposta a propor novas condições de pagamento para facilitar a quitação da dívida. Assim, todos saem ganhando: o empreendedor recebe o seu dinheiro e garante a satisfação do consumidor em um período difícil da vida dele. Esta é, inclusive, uma oportunidade de aprimorar o relacionamento com o cliente e se posicionar como uma empresa que valoriza o seu público.

3 dicas para recuperar crédito e fugir da inadimplência

A recuperação de crédito é uma tarefa delicada e muitos empreendedores ainda têm dúvidas de como agir para solucionar o problema. Pensando nisso, listamos algumas maneiras de fazê-la evitando transtornos para os dois lados. Confira, a seguir:

1 - Identifique e entre em contato com os clientes inadimplentes

Antes de negativar um consumidor, é importante identificá-lo no seu sistema e entrar em contato para entender o que aconteceu e resolver a sua situação. Lembre-se de que ele pode apenas estar passando por um mau momento que impossibilitou o pagamento da dívida e seja cauteloso na abordagem. Em algumas situações, estender o prazo ou parcelamento pode ser a proposta ideal para solucionar este problema.

Em outros casos, os clientes também se esquecem de que têm uma conta em atraso, e negativá-lo nesta situação pode gerar uma surpresa bastante desagradável. Outra alternativa para situações assim é o AED (Aviso Eletrônico de Débito), oferecido pela Boa Vista SCPC. Com este recurso, o empreendedor pode notificar a cobrança de dívidas existentes sem dor de cabeça e aumentar suas chances de recuperação de valores. Para conhecer esta solução, clique aqui.

2 - Mantenha o cliente ativo em seu sistema

Mesmo que o cliente esteja com pagamentos em atraso, não retire-o do seu sistema e de suas listas de comunicação quando o prazo do pagamento expirar. Como já mencionamos, muitas vezes o atraso pode se dar por motivo de esquecimento; portanto, aguarde em torno de 10 dias e, então, entre em contato - por ligação ou Aviso Eletrônico de Débito - para lembrá-lo da prestação.

3 - Previna-se

Esta dica é, na verdade, para o momento que antecede a venda. Uma boa análise de crédito antes de fechar negócio irá ajudá-lo muito mais do que uma recuperação. Pensando nisso, alguns birôs de crédito oferecem informações detalhadas sobre os consumidores para que as empresas possam avaliar o seu perfil com mais segurança e conquistar uma garantia maior de pagamento.

As análises de crédito da Boa Vista SCPC, por exemplo, permitem que as empresas tenham acesso ao score do cliente, a situação cadastral do CPF (ou CNPJ), no caso de pessoas jurídicas) junto à Receita Federal, registro de pendências financeiras e protestos, análise de comportamento com alerta de documentos e consultas anteriores e dados analíticos, como o score, e renda presumida. Com base nestas informações, a Boa Vista SCPC sugere limites de parcelas de crédito e indica ao empreendedor se é seguro ou não aprovar uma venda.

Quais ações a sua empresa tem tomado para recuperar crédito e evitar a inadimplência em tempos de crise? A Boa Vista SCPC possui um pacote completo de soluções que podem auxiliar o seu negócio em todas as etapas de venda. E mais: associados à ACSP têm condições especiais para contratar! Clique aqui e conheça as opções.


Por ACSP