Não à toa, o Dia das Mães, celebrado no segundo domingo de maio, é uma das datas mais aguardadas pelo comércio. Isso porque, depois do Natal, este é o momento em que as vendas mais crescem no país. Só no ano passado, a data movimentou mais de 24 bilhões de reais no varejo nacional - número 1,7% maior do que o registrado em 2018. Mas, para 2020, as expectativas não são tão otimistas.

É que, com os problemas causados pela crise do coronavírus, o comércio não tem sido tão beneficiado pelos períodos de celebração. O isolamento social, que reduziu drasticamente a circulação de pessoas nas ruas, o fechamento de estabelecimentos que não se enquadram na categoria de serviços essenciais e o avanço do desemprego, que já começou a reduzir a renda das famílias, foram alguns dos fatores que contribuíram para que a Páscoa, por exemplo, não tivesse o desempenho esperado: na primeira quinzena de abril, as vendas do comércio paulistano registraram queda média de 65,5% em relação a março, segundo o Balanço de Vendas da ACSP.

É verdade que as próximas datas comemorativas - como o Dia das Mães e o Dia dos Namorados, em junho - virão recheadas de medidas de proteção por conta da pandemia e muitas incertezas para o consumidor e os empresários. Mas, durante esse período tão delicado, é possível adaptar o negócio ao cenário de mudanças e aos novos hábitos de consumo. A seguir, listamos alguns pontos que merecem a sua atenção e podem render bons resultados para a sua empresa. Confira:

Reforce o cuidado com as embalagens

Por conta das medidas de isolamento e comércios de portas fechadas para o público, mais consumidores estão comprando pela internet, solicitando entrega de produtos em casa ou optando pela retirada de itens previamente solicitados nas lojas. Embora estas sejam alternativas interessantes para fugir das aglomerações, as empresas ainda precisam ficar atentas às embalagens, que devem ser limpas para evitar contaminação. Isso porque o contágio também pode acontecer via caixas e sacolas.

Em março, um estudo publicado na revista científica New England Journal of Medicine, mundialmente reconhecida, mostrou que em materiais como plástico e aço inoxidável, por exemplo, o novo coronavírus pode permanecer por até 72 horas - mesmo que em pequenas quantidades. No papelão, o vírus foi encontrado em uma carga maior por até oito horas.

Portanto, priorize a higienização: sempre que possível, limpe as embalagens que deverão ser enviadas com álcool 70% ou solução de água sanitária (duas colheres de sopa para cada litro de água). Mais do que proteger a saúde dos clientes, esse cuidado também é uma forma de diferenciar o seu negócio e conquistar a confiança do público. Por isso, lembre-se de comunicar aos clientes as medidas tomadas pela sua empresa. Além disso, certifique-se de que os seus funcionários estão atendendo às demais orientações de segurança, como o uso de máscaras e higienização frequente das mãos.

Trabalhe com itens de menor preço

Como já mencionamos, por conta da crise muitas famílias já estão sentindo os efeitos da pandemia no bolso, e você deve levar isso em consideração até mesmo nas datas comemorativas. Com as vendas em baixa, é tentador apostar na divulgação dos produtos e serviços de maior valor que a sua empresa oferece para tentar recuperar a receita, mas essa estratégia pode não estar alinhada às condições atuais do seu público. Por isso, priorize a oferta de itens de preço mais baixo, que devem ser mais procurados neste ano.

Programe-se para o aumento da demanda por delivery

Se a sua empresa não fazia tantas entregas por delivery, agora essa pode ser a única saída para que os seus produtos cheguem ao consumidor, e é preciso se adaptar. Avalie a situação do seu negócio para entender como essa medida pode ser implementada da melhor maneira: quem decide contratar os serviços de um entregador, por exemplo, pode escolher pagar o profissional mensalmente ou por entrega - o que vai depender da demanda do público e do caixa da empresa.

Outra possibilidade é mobilizar a sua equipe local para fazer o delivery. Alguns comércios estão adaptando o trabalho dos profissionais para este momento: em um restaurante, por exemplo, com o estabelecimento fechado os garçons podem contribuir com a realização das entregas.

Fique atento ao volume de estoque

Lembre-se de que, apesar da força que o Dia das Mães representa para as vendas do comércio, a expectativa para os resultados deste ano não é das melhores. Isso significa que é preciso ter cautela na composição do estoque para evitar que produtos fiquem encalhados.

Leia também | COVID-19: o que fazer com os estoques enquanto as lojas estão fechadas?

Além disso, fique atento à negociação com os seus fornecedores durante a quarentena. Neste período, alguns podem ter prazos diferentes de entrega. Para evitar atrasos, faça os pedidos com antecedência para garantir que todos os itens cheguem a tempo de manter sua produção.

Capriche nas promoções

Com o poder de compra comprometido e um cenário de incertezas, mais do que nunca, os consumidores estão interessados em condições especiais para comprar. Neste Dia das Mães, não deixe de oferecer promoções: pode ser um desconto no frete ou desconto em produtos e serviços específicos, mas o importante é mostrar aos clientes que eles têm possibilidades para pagar menos.

Outra ideia é oferecer opções de vale-presente para facilitar o trabalho de quem precisa escolher o produto, mas não tem noção do que quer comprar. Você pode criar um design interessante e personalizar esses vales online. Como as pessoas não vão poder ir à sua loja, pense em uma maneira de fazer a entrega do vale no ambiente virtual, por meio de um código, por exemplo. Assim, você ganha com a venda e com a divulgação da sua loja.

Leia também | 8 alternativas que a sua empresa pode adotar durante a crise do coronavírus

O que achou dessas dicas? Esperamos que elas tenham sido úteis e que, de alguma maneira, possam ajudá-lo a obter melhores resultados para a sua empresa no Dia das Mães, mesmo neste momento tão delicado. Leia, também, outros conteúdos especiais que a ACSP está preparando para ajudá-lo durante a crise do coronavírus. É só clicar aqui.

 

 

 


Por ACSP